fbpx
Compra e Venda

Devo ter receio ao financiar minha casa?

financiar casa
Escrito por Fred VPR Imóveis

Financiar casa é uma saída que muitos brasileiros encontram para realizar o tão sonhado objetivo de possuir uma residência própria. No entanto, esse tipo de serviço ainda causa certo nível de desconfiança na mente das pessoas.

Sabemos que existem muitas informações sobre o assunto, porém, faltam materiais mostrando as reais vantagens, bem como os procedimentos envolvidos em um financiamento com intuito de comprar uma casa.

O nosso objetivo com este artigo é desmistificar, de uma vez por todas, esse processo. Ao final dele você terá a plena certeza de que financiar casa é uma excelente alternativa. Continue a leitura e confira!

O que significa financiar casa?

O financiamento de uma casa, assim como outras modalidades, consiste em um processo em que o bem adquirido — no caso, a residência — fica alienado ao banco ou instituição financeira que concedeu os recursos até o instante em que todas as parcelas sejam quitadas.

Durante o período de curso do financiamento o imóvel recebe o gravame, um termo jurídico que serve para indicar que determinado bem não pode ser vendido ou oferecido como garantia em qualquer outra espécie de contrato de empréstimos, financiamento ou qualquer tipo de alienação.

Ao término do parcelamento, o imóvel é liberado e pode ser oferecido à venda ou qualquer tipo de operação, inclusive um novo financiamento. Esse tipo de procedimento por parte dos bancos possui um risco menor, pois existe a possibilidade de o bem ser requerido caso o financiamento não seja pago. Consequentemente, os juros decorrentes desse tipo de financiamento são consideravelmente menores que em outros.

Quais são os benefícios para quem financia a casa?

Financiar casa, além de ser o meio mais prático e rápido de adquirir o próprio imóvel, também proporciona uma série de benefícios ao seu titular.

Podemos afirmar, sem a menor dúvida, que a principal vantagem de financiar casa é a taxa de juros cobrada que, nesses casos, é consideravelmente baixa. Até mesmo as outras modalidades de financiamento, como o veicular, possuem juros maiores que esse tipo.

Outra grande vantagem são os prazos. Algumas instituições oferecem até 35 anos para que o proprietário realize o pagamento e, além disso, as taxas de juros são variáveis de acordo com o prazo. Apesar de aumentarem, não impactam tanto quanto em outras modalidades de financiamento.

Também é uma grande vantagem o fato de sair de uma vez por todas do aluguel. Existem pessoas que afirmam que é melhor morar em um imóvel de terceiros e pagar uma mensalidade ao proprietário do que possuir a sua própria casa. No entanto, sabemos que uma minoria da população pensa assim. Todos têm um desejo ardente de ter a sua própria residência, um local onde você poderá construir a sua vida da forma que achar melhor, sem depender de anuências ou da vontade de terceiros.

Banner WhatsApp (A)Powered by Rock Convert

Por último, vamos mencionar a possibilidade de utilizar o imóvel imediatamente. Ou seja, escolhida a casa e aprovado o financiamento, o proprietário já pode fazer as malas e arrumar o carro de mudanças para habitar em sua nova propriedade e, assim, começar a usufruir de todos os benefícios e alegrias que ela pode proporcionar.

Como funciona o financiamento de uma casa?

Como mencionamos no início deste artigo, a falta de informação é o principal motivo que ainda deixa algumas pessoas com medo de contratar esse tipo de crédito. Sendo assim, para financiar casa você terá de conhecer alguns elementos que compõem esse procedimento. Vamos elencar todos eles neste tópico.

Conhecer os tipos de financiamento existentes

Basicamente, existem duas modalidades de financiamento: o Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI). Não vamos adentrar nas diferenças entre eles neste artigo, mas o que você precisa saber é que a primeira opção é a mais escolhida.

Possui diversos benefícios, dentre eles podemos mencionar:

  • a possibilidade de financiar imóveis com valor de até R$ 750.000;
  • o Custo Efetivo Total de, no máximo, 12% ao ano;
  • possibilidade de utilizar o FGTS como entrada.

Vale a pena lembrar que a entrada é algo substancialmente importante nesses processos, primeiramente pelo fato de as instituições financeiras liberarem apenas um percentual do valor total do imóvel para financiar que, nos casos do SFH, é de 80% do montante total do bem, assim como para que as parcelas não fiquem com valores tão elevados.

Selecionar o banco ou instituição financeira

Quando se fala em financiamento imobiliário as pessoas pensam imediatamente na Caixa Econômica Federal (CEF), e isso não é para menos, afinal, esse banco possui uma das melhores taxas e condições de pagamento que existem nesse mercado, no entanto, ele não é a única instituição.

Existem outras empresas que operam as modalidades de crédito imobiliário que mencionamos neste artigo que são tão vantajosas quanto a CEF. Além disso, você pode buscar parcerias de imobiliárias com bancos em sua cidade. Nesses casos, geralmente se conseguem excelentes taxas de juros e condições de pagamento.

Juntar os documentos necessários

Pode parecer bobagem, mas a parte de documentação é o que mais dificulta as pessoas de terem acesso às modalidades de financiamentos imobiliários, principalmente a comprovação de renda. Além dos documentos básicos de todos os envolvidos no procedimento de compra, como CPF, RG, Certidão de Nascimento ou Casamento — se for o caso — matrícula do imóvel na prefeitura e certidão negativa emitida pelo órgão, será exigida a comprovação de renda do adquirente.

Nesse ponto muitas pessoas falham, principalmente aquelas que possuem várias fontes de renda. Assim, recomendamos que você deposite, em uma mesma conta bancária, todos os ganhos obtidos em um mês. Dessa forma, por meio do extrato bancário, você comprovará os seus rendimentos mensais.

Algumas instituições financeiras não aceitam declarações de renda e a famosa Declaração Comprovatório de Percepção de Rendimentos (DECORE), emitida pelos contadores, uma vez que existiam muitas fraudes nestes tipos de documentos e os bancos acharam por bem não aceitá-los como comprovante de renda, até mesmo para proteger as finanças dos potenciais adquirentes.

Gostou deste artigo sobre financiar casa? Agora que você já sanou as suas dúvidas e está mais confiante para realizar este procedimento, que tal conhecer mais sobre uma localidade em franca expansão? Então, leia o nosso artigo sobre as 7 vantagens de morar no bairro Buritis em Belo Horizonte.

Sobre o autor

Fred VPR Imóveis