fbpx
escritura de imóvel

Você sabe qual é a diferença entre registro e escritura de imóvel?

Uma dúvida muito frequente do pós venda de qualquer imóvel é qual seria a diferença entre registro e escritura de imóvel. Qual a importância desses dois documentos e por que preciso deles? Eles são muito importantes para que a sua transação aconteça de maneira correta e segura. Confira para entender!

compra de um imóvel é um grande passo na vida de muitas pessoas. Um novo lar — ou um bom investimento — é importante para a família e requer precaução e atenção. O trâmite necessário para fazer a transferência da propriedade pode ser uma área desconhecida de muitas pessoas, mas é sempre importante saber sobre o assunto para realizar tudo de acordo com a lei.

Isso é fundamental para que não haja problemas posteriores, como o desfazimento do negócio, o pagamento de multas ou outras penalidades. Uma dúvida bastante comum nesse assunto é a diferença entre registro e escritura de imóvel: com a escritura pública feita, ele já está em meu nome? Onde e quando devo fazer o registro? Para que ele serve?

Para esclarecer essas dúvidas, preparamos este post, explicando o que é a escritura e o registro de imóvel e a diferença prática entre eles. Confira!

A escritura de imóvel

A escritura de um imóvel é um documento público oficial e deve ser feito em um cartório de notas. Ele valida o acordo entre as partes, ou seja, a compra e venda do imóvel, e deve ser feito logo após a assinatura do contrato.

Caso a compra seja feita à vista, a escritura sempre será confeccionada em um tabelionato de notas. Caso haja um financiamento, o contrato com o banco irá substituí-la, pois possui força de escritura. O Oficial do Cartório (tabelião), na escritura, declarará a vontade dos contratantes e registrará as condições em que se realizou a compra e a venda do bem.

Por exemplo, na escritura, constarão:

  • O imóvel negociado, com todas as suas particularidades para descrevê-lo;
  • A qualificação do vendedor e do comprador;
  • O preço estabelecido no negócio;
  • A forma de pagamento que foi acordada entre as partes;
  • Quando serão entregues as chaves.

Qualquer coisa que tenha sido combinada no negócio pode ser colocada na escritura de compra e venda de imóvel, para que fique registrada a vontade das partes.

Para fazer isso, o tabelião solicitará documentos que comprovem a transação, como o contrato, a certidão de matrícula do imóvel, a certidão de quitação de tributos, o carnê do IPTU, etc. Além disso, também serão necessários documentos pessoais, que podem ser CPF e RG, certidão de casamento e outras certidões necessárias.

A escritura tem basicamente duas funções. A primeira é criar um título no Registro de Imóveis, efetivando o desejo das duas partes em relação à compra e à venda do imóvel. A segunda função da escritura é formalizar todas as obrigações que advêm desse contrato de compra e venda, como prazo de comunicação sobre a compra, a transferência do imóvel, penalidades caso algo seja descumprido etc.

Sendo assim, a escritura é basicamente o documento que serve para transferir as responsabilidades do proprietário atual do bem para quem o está comprando. Com ela, o comprador já terá o poder de transferir a propriedade do imóvel para si, formalizando a venda efetivamente.

O registro do imóvel

O registro do imóvel é o ato que vai transferir, de forma efetiva, aos olhos da lei, a propriedade do bem. Ou seja, quando se faz o Registro da Escritura Pública de Compra e Venda no Cartório de Registro de Imóveis, o comprador passa a ser o novo proprietário.

Saiba tudo sobre as etapas de financiamento de imóvel

O Cartório de Registro de Imóveis é que tem a incumbência de registrar e arquivar o histórico de transferências e modificações dos imóveis da região, cada um atuando em uma área específica, e poderá ser consultado para o conhecimento da situação de cada um.

Com isso, a compra do bem se tornará pública, e o comprador terá a responsabilidade de todos os encargos, bônus e ônus que advêm da propriedade, ou seja, a transferência efetiva do imóvel se dará com esse ato. Como a lei regula várias obrigações para o proprietário, é imprescindível que se faça o registro da escritura em cartório, para tornar pública a transferência e o novo dono.

Cada imóvel tem uma matrícula, que é um número que individualiza cada bem. Nessa matrícula, ficam registrados todos os acontecimentos desde a sua criação. Nela, estão registrados:

  • nome dos proprietários em cada época;
  • atual proprietário;
  • número do cadastro na Prefeitura;
  • ônus relacionados ao bem, como penhoras.

Dessa maneira, mesmo que já haja a escritura pública, legalmente, o imóvel só se tornará efetivamente do comprador no momento em que for realizado o registro na matrícula. Portanto, é preciso tomar cuidado: muitos pensam que apenas a escritura já é suficiente para comprovar a propriedade, porém, sem o seu registro na matrícula, a legislação não considerará assim.

Por isso, sempre antes da compra, é imprescindível que se veja a matrícula atualizada, para ver se o vendedor é realmente a pessoa que está registrada como atual proprietário, para que o negócio não seja desfeito posteriormente.

A diferença entre registro e escritura de imóvel

Resumindo a diferença entre a escritura pública e o registro de imóvel, podemos dizer que a primeira é um documento feito pelo tabelião do cartório de notas, que registra o negócio jurídico feito pelas partes.

Nela, estarão descritas as características do acordo: o objeto com todas as suas especificações, o valor da compra, a forma de pagamento, etc. O registro é o ato de levar essa escritura ao cartório de registro de imóveis, para averbá-la na matrícula referente àquele bem que foi negociado. Passará a constar, então, o atual proprietário do bem, e essa informação será pública.

Tudo isso deve ser feito nos cartórios competentes, para que não haja nenhum problema nos atos. Com a escritura pública devidamente feita por um tabelião e registrada na matrícula daquele imóvel, o comprador já passará a ser proprietário do bem para todos os efeitos.

Esses trâmites podem ser facilitados quando se tem a intermediação de uma imobiliária, que já saberá como fazer o procedimento e poderá auxiliar o vendedor e comprador nessa tarefa. Assim, qualquer detalhe que deva ser averbado, como construção, ônus, hipotecas e penhoras, deve ser de sua responsabilidade.

Conseguiu entender melhor qual a diferença entre o registro e a escritura de imóvel? Se você tem alguma dúvida em relação a esse ou a outros assuntos, entre em contato conosco para podermos ajudá-lo!

Este post foi escrito pela equipe da VPR Imóveis em Janeiro de 2018 e atualizado em Julho de 2022.

Perguntas frequentes:

Qual a principal diferença entre registro e escritura?

A escritura de um imóvel valida o acordo entre as partes. Já o registro é o ato que vai transferir de forma efetiva e legal a propriedade do bem.

Quando preciso fazer o registro do imóvel?

O registro de imóveis deve ser feito imediatamente após a assinatura do contrato para que este seja validado em cartório de registro de imóveis.

Saiba tudo sobre as etapas de financiamento de imóvel

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.